Classicismo (1750/ 1810)

     No período clássico a música torna-se mais leve e menos complicada que no barroco. Agora a música revela uma extrema suavidade e beleza com grande equilíbrio e perfeição estética.

    No classicismo é a melodia com acompanhamento de acordes que predomina. As frases melódicas são curtas, claras e bem definidas, sentindo-se o princípio, meio e fim de cada uma. Há também uma maior variação em relação à dinâmica das obras musicais, surge o sforzatto, o crescendo e diminuendo. A sonoridade  resultante de todas estas características é bastante  tonal.

    O cravo cai em desuso para dar lugar ao piano que o irá substituir definitivamente. Também a orquestra toma maiores proporções ao mesmo tempo que diversifica os seus instrumentos.

    Piano: instrumento de tecla e percussão, com teclado, cordas, caixa de ressonância e martelo (para percutir as cordas).normalmente tem 88 teclas, com uma extensão de 7 ou  8 oitavas.

    Desenvolvem-se grandes géneros instrumentais como: a forma sonata, o quarteto de cordas, a sinfonia e  o concerto.  

    Forma sonata: é uma das principais formas musicais usada pelos compositores da época. A forma sonata tem 3 secções principais intituladas: Exposição, Desenvolvimento e reexposição.

            Exposição: secção em que o compositor expõe as suas ideias musicais ou temas.

            Desenvolvimento: Esta secção apresenta material musical novo mas com base nos temas  da exposição.

            Reexposição: é a repetição da exposição mas com  pequenas alterações.

    Quarteto de cordas: é um grupo de 4 músicos ou executantes constituído, na maior parte das vezes, por 2 violinos, 1 viola  e 1 violoncelo.

    Sinfonia: é um termo que teve vários significados ao longo dos séculos, traduzindo-se no classicismo como uma pequena peça instrumental constituída por 3 secções ou andamentos segundo a forma básica: rápido, lento, rápido.

    Concerto: é uma execução musical em público com um número consubstancial de músicos num palco.(É diferente de um recital que normalmente tem em palco sensivelmente dois músicos).    

    Por sua vez a ópera desenvolve-se como sendo o grande género do classicismo, tornando-se cada vez mais  popular. A ópera também deixa os temas míticos usados no barroco e usa temas do quotidiano e personagens reais (de carne e osso). 

    É uma época  com bastantes compositores e pessoas ligadas à música. Pode-se dizer mesmo que é a mais produtiva de todos os períodos da história da música.

    Viena de Áustria é considerada a cidade do  classicismo com maior interesse em termos musicais, sendo o grande centro da vida musical oitocentista. Assim e neste contexto, surge a 1ª Escola de Viena  onde se concentraram a maioria dos grandes compositores deste período áureo da música.

            1ª Escola de Viena: Os três grandes compositores de referência desta escola são: