A Invenção do Dia Claro

Com o antetítulo de "Bildungsroman", é a obra que, juntamente com "Nome de Guerra", melhor caracteriza uma das duas grandes fases do artista: a recuperada ingenuidade infantil.

"A Invenção do Dia Claro", de 1921, fala de um filho pródigo que parte em busca de uma vida diferente, junto do saber livresco e civilizacional, mas regressa ao ambiente materno, ciente do seu engano.

A obra triparte-se em "I - Adeus e Vésperas", "II - A Viagem ou O Que Não se Pode Prever" e "III - Regresso ou O Homem Sentado", compondo-se ainda de uma espécie de prólogo sobre o "Livro", um posfácio intitulado "Uma Frase Que Sobejou" e ainda uma adenda de "Démarches para a Invenção".

[ CITI ]