Aniki Bobó - 1942

 

«A história é simples, real, ambientada no mesmo cenário de Douro, Faina Fluvial a zona ribeirinha do porto e Gaia. Dois garotos, o Carlos e o Eduardo, gostam da mesma miúda, a Teresinha. Um é audacioso, brigão, atrevido; o outro é tímido, bom, sossegado. A rivalidade vai-se acentuando e, um dia, para agradar à sua (namorada), Carlos rouba, uma boneca. Teresinha sente-se inclinada para ele até que um dia, numa inocente brincadeira, Eduardo escorrega por um talude e cai ao lado de um comboio que passa. Todos pensam que Carlos o empurrou e todos passam a afastar-se dele, enquanto Eduardo sofre numa cama de hospital. Carlos pensa fugir num barco ancorado no cais de Massarelos mas tudo se esclarece por intervenção do dono da "loja das tentações" que vira o acidente e que, no final tira todas as suspeitas de cima de Carlos. E os garotos poderão de novo jogar aos polícias e ladrões, ao jogo do Aniki-Bobó». - Por Luís de Pina in Breve História do cinema Português.

Aniki-Bobó representa a passagem de Manoel de Oliveira do documentário para a ficção. Desde a fotografia, da responsabilidade de António Mendes, ao enredo, ao desenrolar da acção, tudo se encaixa harmoniosamente no filme, ficando dele uma dimensão poética. Uma guerra entre crianças, cheia de hipocrisia, egoísmo, que configura o mundo dos adultos.

Rodado em plena 2ª Guerra é uma mensagem de paz, de reconciliação «feita através do dono da "loja das tentações". E a este propósito Oliveira diz «não esqueçamos que Aniki-Bobó, embora inspirado no conto Meninos Milionários, do Dr. Rodrigues de Freitas foi imaginado e realizado durante a Guerra, em 1941-1942».

Estreado no cinema Éden, a 18 de Dezembro de 1942, a verdade é que mais uma vez o público não acolheu com grande simpatia, mais esta grande obra do cinema português.


Ficha Técnica

35 mm pb 1880* mt 68 mn

Realização: Manoel de Oliveira

Produção: António Lopes Ribeiro

Notas: Em registo de Censura: 2800 mt. Houve uma rodagem prévia em 9,5 mm

Orçamento Divulgado: 750 contos.

Assistente: Geral: Manuel Guimarães.

As Realização: Fernando Garcia

Argumento: Manoel de Oliveira

Obra Original: Meninos Milionários

Autor Original: Joao Rodrigues de Freitas

Adaptação: Manoel de Oliveira

Diálogos: Manoel de Oliveira, Manuel Matos, António Lopes Ribeiro, Nascimento Fernandes

Planif /Seq: Manoel de Oliveira

Fotografia: António Mendes

As Imagem: Perdigão Queiroga, Cândido Silva

Decoração: José Porto

Cenários: Silvino Vieira

Caracterização: António Vilar

Fot de Cena: Joao Martins

Direc de Som: Luís Sousa Santos

As de Som: Francisco Mesquita, Mário Malveira

Música: Jaime Silva Filho

Letra Canções: Alberto de Serpa

Canções por: Manuel de Azevedo

Montagem: Vieira de Sousa

Estúdios: Tobis Portuguesa

Exteriores: Porto

Lab Imagem: Lisboa Filme

Reg Som: Tobis Portuguesa

As Produção: Fernando Garcia

Distribuição: Lisboa Filme, Exclusivos Triunfo

Estreia: Eden

Data Estreia: 18 Dez 1942

Intérpretes/Personagens: Nascimento Fernandes (Lojista), Fernanda Matos (Teresinha), Horácio Silva (Carlitos), António Santos (Eduardinho), António Morais Soares (Pistarim), Feliciano David (Pompeu), Manuel de Sousa (Filósofo), António Pereira (Batatinhas), Américo Botelho (Estrelas), Rafael Mota (Rafael), Vital dos Santos (Professor), Manuel de Azevedo (Cantor de Rua), António Palma (Freguês), Armando Pedro (Caixeiro), Pinto Rodrigues (Polícia).

[ CITI ]