Telmo

Esse sentimento sebastianista é personificado principalmente por Maria e por Telmo, mas também, em parte, por Madalena, ainda que com uma conotação negativa, e consiste no facto de a expectativa do regresso de D. João de Portugal arrastar consigo o regresso do rei, desaparecido na mesma batalha (Alcácer Quibir - 1578).

Telmo Pais é, sem dúvida, a personagem sebastianista por excelência. Aio de D. João de Portugal, cultiva, durante quase toda a peça, a esperança de que o seu amo regresse. Ironicamente, será no reencontro com D. João que a sua posição se alterará, tomando o partido, ainda que involuntário, por Maria de Noronha.

Maria, por sua vez, é idealista, estimada, perspicaz e culta. O seu gosto pela leitura leva-a a ter uma imaginação fértil e, muitas vezes, delirante. Vibra com a hipótese de regresso do rei D. Sebastião, sem ter em conta que ele poderá significar também o retorno do primeiro marido da mãe.

O sebastianismo em Frei Luís de Sousa representa, assim, a sobreposição do emocional em relação ao racional, do pressentimento sobre a razão. O desfecho, ainda que muito trágico - e aí difere substancialmente de um eventual regresso de D. Sebastião -, contribuiria para o recrudescer do mito sebastianista: apesar de todos os anos que passaram e das buscas efectuadas em vão, o improvável e o indesejável aconteceram mesmo, 21 anos depois.

[ CITI ]