Máquina de Fogo

Meu coração é máquina de fogo

luz de magnésio, floresta incendiada.

Combustar-se é o seu próprio desafogo.

Arde por tudo, inlama-se por nada.

Após " Movimento Perpétuo", surge o segundo livro de poemas de António Gedeão, "Máquina de Fogo". Esta é a obra da confirmação do poeta enquanto cientista, do cientista enquanto poeta, da consolidação da sua presença no panorama literário português.

O que disse Jacinto Prado Coelho

[ CITI ]