Porto

 

Eugénio de Andrade fixou-se no Porto em 1950, indo habitar a Rua Duque de Palmela, 111 - um endereço que é, curiosamente, também o título de um seu poema. Em 1993, o poeta mudou de casa para ir morar na recém-criada Fundação Eugénio de Andrade.

Cidade a quem dedicou alguns das suas poesias, o Porto foi, a 6 de Dezembro de 1996 considerado Património da Humanidade ou, como vulgarmente se designa, Património Mundial. A propósito deste evento, Eugénio de Andrade manifestou-se, recitando versos seus que propositadamente compôs.

in Público, 18/3/90

[ CITI ]