Claustro das Quimeras

Desde que o começa a escrever, em 1919, Florbela teve sempre intenção firme da chamar à sua nova obra «Claustro das Quimeras», mas, em Março de 1922, ano em que o completa, depara com o «Livro de Quimeras», publicado havia pouco tempo por Alfredo Pimenta. Por conseguinte, Florbela decide intitulá-lo «Livro de Soror Saudade», reorganizando a ordem das poesias, que, em vez de se iniciarem com «Maria das Quimeras», começam com o soneto «Soror Saudade», nome sugerido por Américo Durão.

Diz Florbela, a este propósito, em carta ao irmão: O malandro do Alfredo Pimenta escangalhou-me o arranjinho, publicando um «Livro de Quimeras». Lá se vão as minhas quimeras! O meu fica-se chamando «Livro de Soror Saudade» (Rui Guedes, «Acerca de Florbela»).

[ CITI ]