As Máscaras do Destino

É uma obra totalmente dedicada ao seu irmão Apeles - A meu Irmão, ao meu querido Morto (Florbela Espanca, dedicatória de «As Máscaras do Destino») -, e inspirada pela tristeza e dor que a perda do irmão causa em Florbela. Escrito no final de 1917, o mesmo ano da morte de Apeles e altura em que Florbela não consegue editor, «As Máscaras do Destino» reúne uma série de contos muito sentidos, a saber:

«O Aviador»

«A Morta»

«Os Mortos não Voltam»

«O Resto é Perfume»

«A Paixão de Manuel Garcia»

«O Inventor»

«As Orações de Soror Maria da Pureza»

«O Sobrenatural»

Como o demonstram os títulos dados aos contos, «As Máscaras do Destino» vem reforçar o pendor funesto da obra de Florbela, que, ao tempo, muito por causa do desaparecimento do irmão, já se sente uma mulher morta, a aparência de um espaço vivido, como diz Agustina Bessa Luís, segundo a qual este livro tem de ser lido como se de um diário de uma adolescente se tratasse, em que certa mediocridade talentosa anuncia desejos evitados. É a altura em que a arrogância e o capricho deixam de fazer parte de Florbela (Agustina Bessa Luís, prefácio de «As Máscaras do Destino»).

[ CITI ]