Interseccionismo

Processo típico da pintura futurista ( caracterizado por sobreposições dinâmicas), que depois se aplicou à poesia do Modernismo. O poema "Chuva Oblíqua", de Fernando Pessoa (in "Orpheu" nº2, 1915), é talvez o exemplo mais significativo deste novo processo, uma "demonstração brilhante de inteligência estética e de capacidade inovadora" ( Dic. da Lit. Port.). Nele se cruzam a paisagem presente e ausente, o actual e o pretérito, o real e o onírico ( "Atravessa esta paisagem o meu sonho dum porto infinito / E a cor das flores é transparente de as velas de grandes navios / Que largam do cais..."), e o poeta é uma alma dividida , que capta subtis correspondências de sensações ("Ilumina-se a Igreja por dentro da chuva deste dia / E cada vela que se acende é a chuva a bater na vidraça...").

Esta poesia é considerada mais tarde, pelo próprio F.Pessoa, nos "arredores da sua sinceridade", uma experiência lúdica, que o poeta acaba por abandonar.

[ CITI ]