Alexandre O’Neill fez da pátria o seu tema mais constante, e do verso crítico o pincel com que pintou paisagens, gestos e costumes quotidianos.

Um "grande poeta menor", transbordante de sonhos e sedento de realidades submersas, foi em vida, e é em morte, incompreendido e por vezes votado ao esquecimento.

Esse terá sido o preço que pagou por se ter recusado diluir numa qualquer poesia do populismo fácil.

Bibliografia

Bibliografia Consultada

Autoria: Sónia Pepe Carvalho

(19/12/1924 - 21/08/1986)

[ CITI ]