António Víctor Ramos Rosa

Nascido a 17 de Outubro de 1924, António Víctor Ramos Rosa, é natural de Faro onde frequentou os estudos secundários que não chegou a completar devido a problemas de saúde. Desenvolveu interesse pela literatura lendo obras dos principais autores portugueses e estrangeiros e dando uma preferência especial aos poetas, enquanto exercia a profissão de empregado de escritório.

Enquanto adolescente, sentiu-se fascinado com a modernidade da poesia de José Régio e ficou "apaixonado" por Fernando Pessoa. Durante a juventude escreveu centenas de poemas que queimou devido a uma lucidez em relação à sua actividade poética e também a uma descrença que sempre teve em relação a si mesmo.

A partir desta altura, outros poetas passaram a ser objecto da sua atenção: Carlos Drummond de Andrade, António Machado, Pedro Salinas, Vicente Alexandre, Luís Cernuda, Juan Ramon, Jimenez, Éluard, alguns poetas sul-americanos e espanhóis e os poetas de origem francesa que trouxe para o mundo da poesia portuguesa como é o caso de Jean Tortet, Edmond Jabès, Bonnefoy, Salah Setie e de Jaccottet. Também recebeu influências de Theodor Roethlee, Wallace Stevens, ambos fora da cultura de raiz latina.

No ano de 1945, vem para Lisboa a fim de exercer a profissão de empregado comercial, que definitivamente era como que uma prisão à sua criatividade. Porém, dois anos depois regressa a Faro, onde se integra nas fileiras do M. U. D. Juvenil, tendo estado preso por essa militância.

Novamente regressado a Lisboa (em 1947/48), leccionou português, francês, inglês e iniciou também uma carreira de tradutor para a editora Europa-América, para além do emprego que exercia numa firma comercial.

O interesse constante que tinha pela literatura levou-o a relacionar-se com outros escritores. Começou a colaborar em numerosos jornais e revistas com alguns deles, aos quais o ligavam questões relacionadas com o papel do poeta e da poesia no mundo.

A certa altura da sua vida, abandonou o emprego que exercia como empregado de escritório devido à crescente importância que a actividade literária foi tomando no seu dia-a-dia, em prol de uma dedicação contínua e total que esta lhe exigia.

Actualmente reside em Lisboa, com a sua esposa, e continua a dedicar-se à poesia, uma necessidade que orienta o seu dia-a-dia, e também aos desenhos que faz quando não está a escrever. Ainda hoje, quando abordado por pessoas que conhecem a sua obra e dela gostam e que conseguem compreender a sua mensagem, fica radiante por saber que o seu mundo, a sua maneira de o ver e a sua forma de vida são partilhados por outros.

Lamentavelmente, só nos últimos anos a imagem e obra do poeta têm tido a atenção e estatuto a que naturalmente tem direito. Foi homenageado, no dia 7 de Março de 88, na Galeria do Centro de Arte Soctip, por ocasião do lançamento da revista belga "Le Courier du Centre Internacional d'Études Poétiques", nº especial inteiramente dedicado ao poeta. Também nesse ano viria a ser distinguido com o Prémio Pessoa.

[ CITI ]