Adriano Correia de Oliveira

Cantor já falecido (1942-1982), foi um dos mais importantes intérpretes do fado de Coimbra. A sua notoriedade emergiu sobretudo durante as crises académicas na universidade de Coimbra, onde estudava direito.

Tal como para Zeca Afonso, também para Adriano o fado devia ter uma função de intervenção na sociedade, denunciando os problemas e sendo uma forma de luta. Vai, por isso, cantar e musicar vários poemas de Manuel Alegre e de outros poetas, como António Gedeão e Manuel da Fonseca, que levantavam a voz contra o regime fascista.

Na voz de Adriano imortalizaram-se baladas como "Trova do vento que passa", "Tejo que levas as águas", "Canção com lágrimas" ou "Cantar de emigração".

[ CITI ]