Forças Políticas em Timor-Leste

Durante a ditadura portuguesa, os civis estavam proibidos de se reunir para actividades políticas. No entanto, desde os anos 60, uma elite instruída com aspirações nacionalistas começou a reunir-se clandestinamente e a divulgar algumas ideias na imprensa católica. Três semanas após o 25 de Abril, a formação de associações políticas foi incentivada, no processo de descolonização. Imediatamente, foram fundadas a UDT, que queria prolongar a presença de Portugal com vista a uma autonomia progressiva, e a ASDT, futura FRETILIN, que defendia a independência imediata, enquanto a APODETI, apoidada pela Indonésia, advogava a integração de Timor-Leste naquele país.

Actualmente, a FRETILIN é a maior força política em Timor-Leste e baseia-se na social-democracia. A segunda maior força é a UDT, que também se opõe à integração na Indonésia. Não há nenhum partido, hoje, em Timor-Leste, que apoie a integração. Por seu lado, o CNRM nasceu da unificação, pelo comandante Xanana Gusmão, destas forças e das FALINTIL, constituindo, assim, a organização suprema que representa o povo timorense.

Para saber mais:

[ UDT | ASDT / FRETILIN | APODETI | FALINTIL | CNRM | Outros ]

[ Xanana Gusmão | Invasão e Resistência ]

[ CITI ]