Armando Cortes Rodrigues (1891-1971)

Escritor português, nasceu em Vila Franca do Campo, S. Miguel a 28 de Fevereiro de 1891 . Tendo escrito na sua terra a opereta - Em Férias - de colaboração com um condiscípulo, ainda estudante do liceu, vem para Lisboa (1915), onde se matricula no Curso Superior de Letras. Licenciou-se em Filologia Românica, em 1927. Passou o resto da vida nos Açores, como professor liceal. Foi director da revista Insular.

Na capital conheceu Fernando Pessoa e, sob a sua influência, escreve versos saudosistas, publicados na Águia (1913). Mais novo que Pessoa acompanha-o e escuta os seus ensinamentos. A correspondência que o poeta da Mensagem troca com Armando Rodrigues permite a avaliar as influências recebidas e o íntimo convívio entre ambos, durante o tempo em que o poeta açoriano frequentou o Curso Superior de Letras.

Quando surge o primeiro número do Orpheu, já o poeta integrara a sua geração. De há muito que Pessoa contava com o talento de Armando Rodrigues para o acompanhar na série de aventuras literárias. Os Poemas do primeiro número do Orpheu, a que vêm juntar-se as poesias que insere no segundo, sob o pseudónimo de Violante de Cisneiros, são também motivados por Fernando Pessoa.

Na primeira composição do Orpheu é clara esta influência:

Transcendências nublóticas, metafísicas raras,

Modelei a minha Obra com minhas mão avaras.

Litanias litúrgicas de febre e de paixão,

Crepúsculo de fogo, ardendo em sentimento,

Colunas de Além-Sonho, arcos de Comoção,

Claustros de Arqui-Tristeza, lá onde o pensamento

Vive longe do mundo, em funda adoração...

O certo é que, de regresso à sua ilha, despe os adereços continentais, esquecendo, mesmo, o modernismo. Volta-se para o anedotismo de signo nacionalista.

Nos seus livros - Rajada Doentia (1914), Processional (1921) e Quinto Império (1934) - reúne composições de vária índole, restrito significado e curto fôlego.

Além de poeta, escreveu peças de teatro regionalista e ensaios etnográficos açorianos.

Faleceu em Ponta Delgada a 14 de Outubro de 1971.

[ CITI ]