Dadaísmo

Corrente que coexistiu com o Modernismo. Um dos objectivos mais curiosos do dadaísmo literário é a tentativa de suprimir qualquer relação entre pensamento e expressão. Almada Negreiros, artista plástico, poeta «e tudo» assume, visivelmente, um modo de ser dadaísta em Portugal com "10 Poemas Portugueses", "Rondel do Além Tejo" (1922), "A Invenção do Dia Claro" (1921), "O Menino d'Olhos de Gigante" ("Contemporânea", nº 3, 1922), "A Engomadeira" (1917) e "Nome de Guerra" (1938).

[ CITI ]