Impressionismo

Esta expressão artística nasceu em 15 de Abril de 1874 aquando de uma exposição organizada pelo atelier de Nadar, em Paris. Do grupo que participou nesta exposição destacam-se Monet, Renoir, Cezanne Degas e Manet.

A grande mudança na técnica utilizada é a justaposição, na tela, em pinceladas vibrantes, das cores puras, de modo a provocar a fusão dos tons nos olhos do espectador, em vez de se misturarem na paleta, o que veio permitir a pintura dos efeitos coloridos da luz solar na atmosfera.

A relevância da pintura deixa de assentar no tema para dar lugar ao modo como o artista capta o momento do tema. "Tratar um tema pelas suas tonalidades e não pelo próprio tema é o que distingue os impressionistas dos outros pintores", segundo George Rivière(Guia de História da Arte-Sandro Sproccati), ainda que o tema também seja diferente com os modernistas. Contrariamente aos realistas, que os antecedem, os seus heróis passam a ser os momentos de ócio e de festa dos cidadãos, nomeadamente, dos franceses que se vêm retratados nos seus passeios de domingo ao longo do Sena.

Observa-se uma "ambiguidade perceptiva reproduzida nos quadros impressionistas, onde a síntese de luz e de cor torna os contornos flutuantes e esfumados, pulveriza a forma, fragmentando constantemente a visão em mil pinceladas resplandecentes de cor".

Anotando a variedade cromática da luz solar, os impressionistas passam a fixar directamente na tela as cores saídas dos seus tubos, deixando de as misturar previamente na paleta, passam a utilizar o preto como cor autónoma, e eliminam a linha de contorno para definir o espaço e as separações entre as imagens fazendo da paisagem o seu tema fundamental.

[ CITI ]