Introdução

Relação histórica

Tele-educação

Novo paradigma

Redefinição de papéis

Resistências e
 forças de mudança

Polémicas

Bibliografia

Autoria

 


A TELE-EDUCAÇÃO

Do mesmo modo que "manteiga" sugere "pão", "computador" sugere "rapidez". Trabalha depressa, evolui muito rapidamente e cedo originou algumas mudanças em muitos sectores da actividade humana. Mas não na Escola. Será este o caso em que uma força irresistível depara com o objecto inamovível?

Seymour Papert [25]

Actualmente, toda a ordem social está a alterar-se ao ritmo das evoluções informacionais. Todas as áreas da actividade humana estão a ser reconfiguradas à luz das recentes evoluções infomáticas. E a Educação? Sendo este um território particularmente sensível a qualquer mudança e estando já hoje em crise, será ele afectado pelo ritmo alucinante do desenvolvimento social?

Desde sempre se verificou uma estreita relação histórica entre a tecnologia e a Educação, não sendo esta uma época que escape a essa norma. A tele-educação afirma-se como uma possível resposta À necessidade de conciliação entre essas duas forças. Desde já se afigura uma mudança do paradigma comunicacional, que se propõe redefinir todo o processo de Ensino e Aprendizagem. Para tal, exige uma redefinição dos papéis dos seus intervenientes, de modo a que possa revolucionar todas as concepções tradicionais.

Mas toda esta tentativa de reformulação da Educação não é pacífica, existindo correntes em oposição que se afirmam como forças de resistência e mudança. Em suma, todo o ambiente de especulação que rodeia a tele-educação não está livre de polémicas.