tit_n_estudos.gif (8524 bytes)

Globalização

A Internet, meio por excelência que representa uma filosofia de self-media, apesar da sua pouca idade no que diz respeito à sua utilização no meio doméstico, deixa ver já, algumas vantagens e desvantagens que a Convergência dos Media pode ter nomeadamente, no encurtamento das distâncias, entre as pessoas. A utilização da Internet por indíviduos para comunicação (através dos IRC's ( Internet Relay Chat), Chat's ou E-Mail) tem vindo a ganhar forte adesão, na comunicação interpessoal e correspondência entre empresas.

Este meio de comunicação reduz drasticamente as grandezas de espaço e tempo permitindo aos sujeitos manterem uma relação inter-pessoal in absentia, mas em tempo quase real.

Este meio permite também a não-mediação visual (o que acontece nos IRC's ou nos Chat's), em que o interlocutor não é visível, abstraindo deste modo a comunicação visual e as barreiras que esta possa vir a impor ou demonstrar. Esta vantagem pode tornar-se benéfica, em que a criação da nossa identidade virtual é construída utilizando opiniões e ideias, normalmente apresentadas em texto, numa linguagem que possui alguns paralelismos com o "latim bárbaro", neste caso o "inglês bárbaro" (é costume ver-se nos IRC's a utilização do "q" e "u" por "k", como no exemplo "que = ke"). Deste modo a questão estética e a apresentação do outro deixam de ter um papel definidor de comportamentos e métodos de abordagem.

No entanto, esta ascenção de dispositivos tecnológicos pode ajudar a aproximar pessoas que estão afastadas espacialmente ou encontrar do outro lado do mundo indíviduos com os mesmos interesses que nós, esta não é desprovida de desvantagens. A não-mediação pode incorrer nalguns riscos, em que as relações inter-pessoais podem ser determinantes, nomeadamente a nível económico e educacional (no Altavista, fazer pesquisa com "internet disadvantages"). A base de confiança que preside a este tipo de relações, pode ser posta seriamente em causa por esta não-mediação, nomeadamene ao nível da construção de perfis individuais que podem não corresponder às sérias intenções do seu criador.

A proliferação dos novos dispositivos tecnológicos por todo o mundo é uma ideia que existe nomeadamente no mundo ocidental e é utilizada por uma minoria com acesso a tecnologia altamente especializada e que possui infra-estruturas que permitam uma utilização óptima dos recursos existentes. Por isso, é preciso não esquecer que a grande parte da população mundial vive no escalão dos info-pobres por oposição aos info-ricos. Ainda no primeiro escalão encontra-se uma nova classe de analfabetos, os analfabetos tecnológicos.