tit_caixa_sorte.gif (1683 bytes)

A Verdade

"Fui cilindrado, um cilindro de toneladas. Antes de ir para o ar a entrevista da Rainha Isabel, suspenderam-me o programa e o Índex voltou à televisão. Havia ordens para não se falar de mim, o Fialho Gouveia tinha uma fotografia minha no concurso e teve de a tirar. Estava-se no princípio da maioria de Cavaco, com o Moniz na Informação e o vivo e moderno advogado Coelho Ribeiro (ex-SNI) é que mandava. Tive uns telefonemazinhos de umas pessoas, antes de gravar o 'sketch'. (…) O governo de Cavaco, reforçado pela maioria absoluta, andava à procura da sua identidade e o maior inimigo estava em Belém, era o Soares. (…) O primeiro Humor de Perdição era malandro, anti-regime, anti-Teixeira da Cunha, com o Cavaco a ser imitado em voz 'off'. Foi o mais político e o mais inteligente e divertido dos meus programas. No segundo programa, o Soares foi-me visitar ao estúdio, assistindo a uma rábula, rindo, deixando-se fotografar, e aparecendo a peça no telejornal do Henrique Garcia. Eles não gostaram e vieram dizer-me que a coisa tinha mudado."

Entrevista a Clara Ferreira Alves "Pobre menino rico" in Jornal Expresso, 13/JUN/97